Contribuição cristã

Contribuição cristã

“Irmãos, quero que saibais como a graça de Deus foi concedida às igrejas da Macedônia, pois a intensidade da alegria e a extrema pobreza deles transbordaram em riqueza de generosidade, e isso em dura prova de tribulação. Porque posso dar testemunho de que deram de livre vontade na medida dos seus bens, e até mesmo acima disso, pedindo-nos, com muita insistência, o privilégio de participar da assistência em favor dos santos. E não somente fizeram o que esperávamos, mas primeiramente deram a si mesmos ao Senhor, e a nós pela vontade de Deus. De modo que pedimos a Tito que, assim como já havia começado, também completasse entre vós essa expressão de bondade” (2 Coríntios 8.1-6).

Essa passagem da segunda carta de Paulo à Igreja de Corinto tem um grande ensinamento para nós: a nossa contribuição financeira para com a obra de Deus é uma expressão de Sua generosidade. Isso porque, “nosso Deus gracioso é um Deus generoso, e ele age em seu povo para que seja generoso também” (STOTT, J. “A graça de contribuir” In: STOTT, J, & WRIGHT, C. A graça de contribuir: o dinheiro e o Evangelho. São Paulo: Editora Vida, 2018, p. 14).

A generosidade dos irmãos de Corinto pode ser vista em três aspectos: a intensidade de sua alegria, a sua extrema pobreza e a dura prova de tribulação pela qual passaram (ver versos 1 e 2). Nem mesmo essas experiências impediram que eles pudessem contribuir com generosidade.

Nesse sentido, afirma John Stott: “A generosidade daquele povo é um derramamento da generosidade de Deus” (Op. cit, p, 15). Os irmãos de Corinto suplicavam para que pudessem aproveitar o privilégio de participar da obra do Senhor. Que exemplo para nós! Será que entendemos que contribuir é um privilégio que Deus nos dá? Será que existe em nosso coração a certeza de que esse privilégio nos foi dado pela graça de Deus?

Contribuir é um privilégio porque nesse ato de entrega ao Senhor há alegria. A graça de Deus se manifesta porque não contribuímos por imposição humana ou por uma ordem do governo, ou como se fosse uma obrigação. A nossa contribuição para com a obra de Deus está ligada à graça, porque fomos salvos por ela e não por obras ou sacrifício humano (Ver Efésios 2.9-10).

Se queremos ver a Igreja crescer, se queremos ver a obra de Deus se expandir, se queremos ajudar os necessitados, se queremos continuar fazendo missões no Brasil e no mundo, temos que ser generosos na nossa contribuição, sabendo que a motivação com a qual contribuímos vem da preciosa, da eterna, da maravilhosa, da superabundante graça de Deus.

Queridos irmãos, que sejamos generosos em nossa contribuição entregando ao Senhor dízimos e ofertas, dons e talentos, e tudo o que temos para o sustento de Sua obra! Para tanto, que o Senhor nos abençoe.

Seu pastor e amigo,
J. Laurindo.